Relato do meu parto humanizado (semana mundial por um parto respeitado)

Estamos na semana mundial por um parto respeitado, que este ano (post escrito em 2017) traz como lema: “40 semanas? Respeitemos os tempos de nascimento”.

 

E assim é. Como pretendemos programar algo que já está programado pela natureza? Não tem sentido algum. Metemos no mesmo saco a todas as mães, a todas as gestações, a todos os bebês. Cada gestação é um mundo e cada uma delas tem o seu tempo. Cada bebê necessita seu tempo no útero. Não somos robôs, somos seres únicos, diferentes e por tanto, não podemos pretender que todos os bebês nasçam na semana 40.

Quando te dizem a data provável do nascimento, parece que a palavra PROVAVEL passa inadvertida. Só entendemos data do nascimento. E quando a gravidez dura algo mais, já todos estão nervosos: mães, familiares e profissionais.

Vamos dar tempo aos bebês para acabar de amadurecer.

Cada bebê nasce no momento que está preparado. Cada semana, cada dia que o bebê se desenvolve no útero é crucial. Devemos manter o feto no útero para protege-los dos perigos que possam surgir no ambiente extrauterino.

Assim que induzir farmacologicamente um parto ou praticar uma cesariana antes de que a mulher entre em trabalho de parto espontaneamente é algo que só se deveria fazer se existem razões médicas mais importantes que a possibilidade de permitir que o bebê se desenvolva mais tempo dentro do útero.

 

E como estamos na semana mundial pelo parto respeitado, vou contar para vocês um relato desse tipo de parto: o meu parto respeitado (o parto Anxo).

 

Logicamente, como é normal nesses casos, tanta oxitocina natural te nubla o cérebro, faz você se desconectar do mundo e se conectar com você mesma, com a sua essência. Por isso, tenho uma lembrança um pouco caótica, sobretudo de tempos. Não fui muito consciente do que aconteceu primeiro e o que foi depois, mas meu marido foi anotando num caderninho tudo, cada coisa que acontecia com a sua hora exata e depois de ler as anotações, fui ordenando as minhas lembranças.

 

 

 

 

 

 

 

Como já comentei em algum post, meu sonho era parir. Parir naturalmente. Poder sentir meu corpo reagindo aos hormônios, seguindo o curso do que estava programado pela natureza. É que formava até parte dos meus sonhos pelas noites.

Quando fiquei grávida de Sara (2013) já pensei no parto desde o primeiro dia. Imaginava esse momento com um sorriso nos lábios. Tentei de tudo, mas não pôde ser. Tinha pouco líquido e um mioma e nada disso favorecia que Sara girasse e ficasse de cabeça para baixo.  No final, uma cesárea programada. Acabei estourando a bolsa 2 dias antes e, ainda que fosse uma cesárea igual, me alegrei de que minha filha sentisse que esse dia ia nascer. Assim, estava um pouquinho mais preparada.

2 anos e 3 meses depois…  Estava grávida de novo. Desta vez o bebê estava de cabecinha e tudo indicava que o parto ia ser normal. Precisamente na madrugada do dia 30/12/2015 a bolsa estourou. Líquido claro, prova do estreptococo negativa, nada de contrações, movimentos e frequência cardíaca normal. Estávamos tranquilos. Tínhamos sono, assim que fomos dormir! No meio da noite, Sara (2 anos e 3 meses) nos chamou desde o seu quarto. Fui consolar ela com um pouco de peito.

Levantamos tarde, sobre as 11 da manha e fomos preparar o café. Recebo a ligação da minha matrona, colega e amiga, Iria. Já tínhamos pactado que seria ela que atenderia o meu parto.

Depois, meu marido foi cortar o cabelo no salão e eu fiquei com Sara em casa preparando um bolo para levar para as minhas colegas no hospital. Ainda nada de contrações. A tranquilidade era total!!

 

 

 

 

 

 

Almoçamos, e mais tarde, as 17h chegou meu irmão para levar Sara para casa de meus pais. Última mamada e um abraço forte. Fiquei com muita peninha dela. Acabava o seu reinado e dava a impressão de que ela suspeitava algo.

 

19:00h: Banhinho quente e preparados para ir ao hospital.

Ao chegar, Iria já estava nos esperando como sempre, com um grande sorriso que a caracteriza. Me tomam as constantes vitais,, una ultra, me fazem o controle com monitor fetal, analise de sangue e… Tudo ok! Para casa a esperar a chegada das contrações na tranquilidade do nosso lar. Mas antes, passada pelo súper mercado para comprar umas coisas, uns truquinhos para poder estimular contrações.

Já em casa, as 22:30h recebo a visita de uma colega matrona, Isa. Ela me trouxe um frasco com uma mistura de essência de flores de Bach (homeopatia) para ajudar também a induzir o trabalho de parto e manter o controle emocional. Mas o que foi mais efetivo foi a conversa que teve Isa comigo. Digamos que ela cavou no meu EU interior para que eu descobrisse e entendesse porque as contrações não apareciam. Descobri, entendi e fui plenamente consciente. Aceitei. E chorei. Chorei muito. Não de tristeza. Mas bem de alívio por colocar para fora algo que guardava dentro. Meu marido e eu nos abraçamos um longo tempo. Foi curador.

Ao trazer à consciência esse dado importantíssimo, foi como fazer um “clic”, como apertar um botão de START. Começaram as tão desejadas contrações!!

Mudamos de dia, estamos no ultimo dia do ano 2015. O dia que saia de contas e que meu bebê, casualmente, escolheu para nascer.

Mais de 18h de estourada a bolsa, é hora de começar a passar o antibiótico para evitar infecção. Como sou enfermeira, eu mesma me encarreguei disso em casa.

Entre sofá e bola de Pilates, passei a madrugada. As contrações, cada vez mais fortes, mas ainda não muito doloridas. A altas horas caí rendida na cama. Descansei um pouquinho, até que a coisa já foi se animando bastante e senti necessidade de me levantar. Tomei um banho quentinho e nos preparamos para ir ao hospital já que o acordo era que às 8 da manhã teria que ingressar para provocar o parto por tantas horas de estourada a bolsa.

Chegamos ao hospital com contrações cada 3 minutos. Já não fazia falta provocar nada. A natureza seguiu o seu curso.

Muito apoio, palavras de ânimo, muito carinho e atenção por parte do meu marido e das companheiras de profissão.

Tweet: Durante o parto o apoio é fundamental. Não aquele que te compadece, mas aquele que te anima, que te diz o quão forte você é. @canalmaternal

Durante o trabalho de parto o apoio é fundamental. Não aquele que te compadece, mas aquele que te anima, que te diz o quão forte você é.

 

As contrações cada vez mais dolorosas, mas não muito frequentes, cada 10 minutos. Entre uma e outra eu era capaz de dormir. E de sonhar. Entrava num sono tão profundo tão rapidamente que era incrível. E as compressinhas quentes para dar calor local na zona do sacro foi mão na roda para ir levando a dor.

Como havia pouca dinâmica uterina, utilizamos vários truquinhos naturais para aumentar a frequência das contrações. E conseguimos. Cada vez mais.

Necessitei algo mais que as compressas quentes. Me sentei na bola de Pilates debaixo do chuveiro quentinho. E foi glória bendita!!! Assim passei o resto da dilatação.

As 12:30h começo a fraquejar e pensar na possibilidade da anestesia.

O bebê estava em posição posterior, ou seja, colocado na barriga de tal forma que as costas dele estavam em contato com as minhas. Essa posição do feto provoca fortes e dolorosas contrações que se irradiam para a região detrás das cadeiras.

Minha matrona e meu marido me lembraram que o parto natural era o sonho que eu perseguia há tempo e ao comprovar que já estava de 7 cm, tomei forças e segui adiante.

Aplicamos outros truquinhos para mudar a posição do bebê e senti perfeitamente quando isso aconteceu. A dor das contrações se tornaram mais amenas.

Às 15:00 comprovamos com um toque, que estava completamente dilatada. Às 16:30h começo a sentir vontade de fazer força. Passei boa parte dos puxos debaixo do chuveiro, até que senti a necessidade de me deitar e fui para a cama.

Senti, com cada puxo, a cabeça do meu bebê descendo, se abrindo caminho. Cada vez se via mais e mais. Meu marido se deslumbrava com a imagem da cabeça saindo pouco a pouco. Senti perfeitamente o famoso aro de fogo. Sabia que já faltava muito pouco. Foi saindo devagarzinho, devagarzinho. Eu era capaz de controlar os puxos e posso até afirmar que para mim, o expulsivo foi prazeroso.

E as 17:25h, sob um ambiente tranquilo, silencio e luz tênue, nasceu nosso segundo bebê. Nesse mesmo momento foi colocado sobre meu peito (e permanecemos pele a pele durante as seguintes 3 horas) e foi quando descobrimos que era um menino, era Anxo!

Quase imediatamente ele se dedicou a mamar. Um momento único. Era a primeira das tantíssimas vezes que se prenderia à sua tão adorada “Tete”, como ele mesmo chama. De feito, agora mesmo, escrevo estas linhas, depois de 1 ano e 4 meses, com ele mamando e tentando tocar as teclas do computador.

O cordão umbilical só foi cortado depois de deixar de latejar completamente, para favorecer a transferência de sangue da placenta ao bebê e assim aumentar as reservas de ferro . E foi meu marido quem realizou o corte.

As 17:55h finaliza meu parto com a expulsão da placenta, esse órgão transitório que albergou e alimentou o meu bebê durante exatamente 280 dias.

Dois pontinhos de sutura internos e fim. Fim de uma etapa, começo de outra. Já somos 4!!

Consegui, por fim, o meu tão ansiado parto natural e respeitado e me senti a mulher mais poderosa do mundo!! Algo transformador!

A diferença com a cesárea programada é abismal! Nada a ver. A cesárea é algo muito frio. E só percebi o quão abismalmente diferente era depois de passar pelo parto natural respeitado.

O que mais me chamou atenção foi o tema da vinculação. Achei que na cesárea a vinculação tinha sido imediata. Mas não. Definitivamente não. A sensação de amor, paixão, loucura pelo bebê é assustador de tão grande e imediato que é.

O cocktel de hormônios se encarrega de que a gente se apaixone loucamente por aquele ser desconhecido. Juro a vocês que, com a cesárea, pensei que tinha sentido esta vinculação imediatamente, mas só depois de passar pelo parto natural que percebi que não foi igual, nem parecido, sequer.

O parto natural respeitado é uma vivencia mágica!! E que espero repetir. 😉

 

(Post dedicado especialmente ao meu marido Alfonso, que fez com que eu me sentisse una superwoman!)

dr-sugiyama-font
Agora, quero conhecer o seu relato. Como foi o seu parto? Foi como você sonhava? Teve, como eu, dois ou mais tipos de parto? Qual a diferença mais destacável?

 

Compartilhe...Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Print this page
Print

One Reply to “Relato do meu parto humanizado (semana mundial por um parto respeitado)”

  1. Tenha certeza de que é uma experiência inesquecível, que todo ser humano teria que viver, mesmo que apenas uma vez na vida.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: